O que fazer para estimular o intraempreendedorismo na sua empresa?

Utilizado pela primeira vez em 1985 pelo americano Gifford Pinchot III, o termo intraempreendedorismo é a tradução do termo em inglês intrapreneur, que significa empreendedor interno. Apesar de o conceito existir há aproximadamente três décadas, só foi mais recentemente que a prática passou a acontecer nas empresas, especialmente nas maiores.

 

Isso se dá porque atualmente as companhias estão – ou pelo menos deveriam estar – mais dispostas a transmitir uma liberdade que faça com que os funcionários sintam-se à vontade para criar: seja um novo produto, solução ou simplesmente a resolução para determinado desafio que possa surgir. Neste post, nós vamos te explicar de que maneira o intraempreendedorismo está intimamente ligado ao índice de engajamento de sua marca, bem como mostrar como é possível alavancar os resultados desses dois aspectos.

 

O que é intraempreendedorismo

O intraempreendedorismo acontece quando os seus colaboradores desenvolvem novos produtos, serviços, tecnologias, técnicas administrativas, estratégias e posturas competitivas, como bem definiu o Sebrae em artigo específico sobre a temática. É claro que nem todos terão essa postura, mas você consegue identificar aqueles que têm mais chance a partir de uma análise de perfil: quem busca, cria e implementa ideias, além de terem capacidade diferenciada para analisar cenários e encontrar oportunidades (em vez de problemas), de acordo com a Endeavor.

 

Para tanto, os funcionários têm à disposição um orçamento, que depende de cada projeto, mas que é fundamental para que eles se sintam seguros caso haja de errado aconteça ao longo do processo. Por meio da inovação, há uma ampliação da vantagem competitiva da marca, que passa a diferenciar-se no mercado.

 

O primeiro passo do intraempreendedorismo é o engajamento

Mais que uma ferramenta para engajar os colaboradores, o intraempreendedorismo é um sintoma. Não espere que funcionários desmotivados sejam intraempreendedores. Se eles se sentirem assim, nem de longe irão querer criar algo novo dentro da empresa.

 

Segundo a Forbes, o ideal é investir naqueles empregados que já performam bem nas funções a que foram designados, ou seja, se sintam donos de suas próprias funções e, principalmente, naqueles over-the-top. Fique atento a pessoas que, por si só, tenham vontade de inovar e fazer parte de algo maior. Estes são ou serão os xerifes do intraempreendedorismo. Se estamos falando da geração Y? Também, mas não exclusivamente, afinal intraempreendedorismo é a união de perfil e engajamento, o que pessoas de qualquer idade pode ter. De qualquer forma, tenha em mãos outra estratégias para aqueles cujo absenteísmo vem dominando a carreira, combinado?

 

No entanto, antes de pensar em como agir em relação aos diferentes extratos motivacionais do seu quadro de recursos humanos, é necessário conhecer o nível real de engajamento na sua empresa. Para isso, leia este post sobre como fazer uma pesquisa de engajamento efetiva.

 

Como desenvolver o intraempreendedorismo dentro da sua empresa?

Além de estar relacionado ao perfil dos funcionários, o intraempreendedorismo também depende de cultura organizacional. Para que qualquer um inove dentro do seu negócio, deve haver um clima de liberdade. Reconheça, com frequência, conquistas individuais e coletivas, além de designar desafios constantes a cada um deles, como a cada três meses. Essa são as contrapartidas.

 

O intraempreendedorismo também pode funcionar bem em espaços com rotinas de trabalho flexíveis, além de remunerações variáveis, tais quais as estabelecidas por startups, já que a mensagem transmitida por meio dessas políticas é a de autonomia. O importante é que as pessoas se sintam parte daquilo, que vejam o diferencial do próprio trabalho em ganhos do grupo todo.

 

Em relação às dicas práticas, foque no estabelecimento de um canal aberto de ideias com os funcionários. Depois, crie um fluxo para esses projetos. Informe frequentemente quais estão em andamento, quais já foram implementadas e quais ainda serão. Mantenha e estimule reports frequentes.

 

Nessas ações, conte com o papel de um líder nato. Afinal, os intraempreendedores precisam ter uma referência a ser seguida. Se você não se sentir confortável nessa missão (normal, já que existem chefes e líderes), procure alguém que possua a liderança como algo natural e que, principalmente, transmita essa sensação por meio do exemplo – ou efeito espelho, como detalha um artigo do Entrepreneur.

 

Porque o intraempreendedorismo pode aumentar o engajamento dos seus funcionários?

Ao enxergar resultados acerca das próprias propostas (que você deve lembrar de compartilhar), eles tendem a engajar-se ainda mais. E espalhar esse sentimento em relação a uma cultura colaborativa, desde que você continue cultivando esse ambiente. Assim, intraempreendedores costumam apresentar níveis maiores de satisfação com o trabalho, além de aumentarem ainda mais o comprometimento em relação às suas funções.

 

Dessa forma, o intraempreendedorismo auxilia na retenção de talentos e, claro, na manutenção do capital intelectual. Tudo isso passando pela otimização de recursos, já que muitas vezes esses colaboradores apontam direções a que você só enxergaria caso contratasse uma consultoria, por exemplo. Portanto, acredite no potencial humano do seu negócio.

 

A solução que, ao mesmo tempo, desenvolve e mensura os resultados relacionados ao engajamento já existe e está às ordens. Tem alguma dúvida sobre a metodologia da Santo Caos pode impactar no intraempreendedorismo do seu negócio? Deixe uma mensagem abaixo e vamos conversar!